quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Computador pessoal completa 30 anos ofuscado pelo sucesso dos tablets


Lançado em 1981 pela IBM, o modelo 5150 tinha 32 mil vezes menos memória que um iPhone

A indústria tecnológica comemora nesta sexta-feira (12) o 30º aniversário da estreia do primeiro computador pessoal, um aparelho que revolucionou a informática e cujo consumo é ofuscado com lançamentos dos tablets.

Em 12 de agosto de 1981, a IBM divulgou no hotel Waldorf Astoria de Nova York o famoso 5150 PC que representou uma mudança de paradigma no setor ao seR projetado em um tempo recorde graças ao uso de componentes de diferentes companhias.

A necessidade de se adiantar em relação a rivais como Apple, que estrearam seus protótipos nos anos 1970, levou a IBM apostar na terceirização dos sistemas em parceria com empresas como Intel e Microsoft, em vez de investir em seu desenvolvimento. Um modelo de fabricação que foi padronizado a partir de então.

A versão básica do primeiro PC (personal computer), que chegou no mercado custando R$ 2.520 (US$ 1.565), dispunha de uma memória RAM de 16 kilobytes - para se ter uma comparação, o iPhone 4 tem uma capacidade 32 mil vezes superior - sem porta para disquete nem disco rígido. O aparelho vinha com um cabo para conectá-lo à televisão e o monitor era vendido à parte.

Em 1982, um ano depois do lançamento do PC, a Compaq (então Texas Instruments) apresentou o primeiro computador portátil, que também utilizou processadores da Intel e software da Microsoft, e que em apenas 12 meses vendeu 53 mil unidades, cada uma pesando 13 kg.

O plano de negócio da IBM estimava vendas de 240 mil exemplares de seus PC entre 1981 e 1986, mas o sucesso de seu 5150 superou as expectativas, que alcançou esse número no primeiro ano e originou um boom comercial que acelerou a chegada da informática para os escritórios.

Atualmente, há nos Estados Unidos cerca de um computador pessoal per capita embora as vendas desses aparelhos esteja em queda. No primeiro trimestre do ano foram vendidos 4,4% a menos de PCs comparado ao mesmo período de 2010, segundo dados da empresa de pesquisa de mercado IDC.

Gurus do setor como Steve Jobs, da Apple, proclamaram o fim da era do PC, um formato que se tornou obsoleto ao ser comparado aos dispositivos móveis e sistemas em rede de computação “na nuvem”.

Em artigo publicado nesta semana no blog Building a Smart Planet, intitulado IBM Leads the Way in the Post-PC Era, o diretor tecnológico da IBM para o Oriente Médio e África, Mark Dean, manifestou que 30 anos após trabalhar no primeiro PC, esses aparelhos ficaram defasados.

- Estou orgulhoso que a IBM decidisse abandonar o negócio dos computadores pessoais em 2005 e vendesse nossa divisão da PC para Lenovo. Quando ajudei a projetar o PC nunca pensei que viveria o suficiente para ser testemunha de sua queda, mas apesar disso, os PCs continuarão sendo muito usados, vão seguir o mesmo caminho que a máquina de escrever e os discos de vinil.

- Meu computador principal agora é um tablet.

Dean prevê que o futuro da tecnologia vai além dos PCs, tablets e dos smartphones.
- Está ficando claro que a inovação cresce melhor não nos dispositivos, mas nos espaços sociais que há entre eles, onde as pessoas e as ideias se encontram e interagem. É aí onde a computação pode ter o impacto mais poderoso.



r7.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário