quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Presidente do Google diz que serviço de TV receberá novos parceiros em breve


Empresa encontrou dificuldades nos EUA e Europa

Eric Schmidt, presidente do conselho do Google, disse neste fim de semana que a empresa tem um "firme compromisso" com seu serviço de televisão e espera anunciar muitos parceiros novos para ele em breve.

A Google TV, que permite que os usuários combinem conteúdo de web e televisão em telas de televisores, recebeu críticas pouco entusiasmadas e foi bloqueado pelas grandes emissoras norte-americanas na época de seu lançamento nos Estados Unidos, em outubro do ano passado.

Schmidt declarou no festival de TV de Edimburgo que os obstáculos ao produto até o momento se devem em parte a uma característica técnica dos televisores, aparelhos que os consumidores tendem a substituir apenas uma vez a cada cinco anos.

- Temos o firme compromisso de continuar, de melhorar o Google TV.

Ele acrescentou que novas empresas em breve se unirão aos atuais parceiros Sony e Logitech para a próxima versão do sistema. A Logitech produz mouses, alto-falantes, webcams e teclados para computadores.

- Creio que os dois continuarão conosco e que surgirão muitos outros parceiros. Esperem por um anúncio em breve.

O Google há muito abriga ambições de expandir seus negócios de publicidade online, que movimentam US$ 28 bilhões anuais, à area da televisão, que recebe a parte do leão nas verbas publicitárias mundiais.

A empresa controla o YouTube, o mais popular site de vídeos online do mundo, mas não anunciou lucros derivados desse serviço desde que o comprou, em 2006.

Schmidt declarou na palestra que previa o lançamento do Google TV na Europa para o começo do ano que vem.

No sábado (27), ele afirmou que o Google ainda não havia resolvido suas diferenças com as redes norte-americanas ABC, NBC e CBS, e que esperava que a empresa não encontre problemas semelhantes no lançamento britânico do serviço.

- Nós certamente conversamos com ele sobre reverterem sua posição, e esperamos que coisa parecida não aconteça por aqui.

O executivo falou também que o Google estava conversando com redes britânicas de TV.
Como outros setores prejudicados pela internet, o de televisão em geral suspeita do Google, temendo que a empresa capture faturamento publicitário sem contribuir para o pesado custo da programação.

O Google argumenta que a internet pode expandir o mercado geral de propaganda ao oferecer anúncios mais direcionados e efetivos, que encorajarão as empresas a investir mais em publicidade.



r7.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário