quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Facebook e Google travam disputa acirrada por cliques e dinheiro



Empresas usam estratégias diferentes para atrair usuários e anunciantes

Se o Facebook entrou 2009 disputando espaço com o Twitter, em 2010 e 2011 começou a brigar de frente com o gigante Google. Há duas semanas, a empresa de Mark Zuckerberg foi estimada em R$ 85 bilhões (US$ 50 bilhões), cifra superior a um quarto do valor de marcado do Google.

Mas antes de disputarem valores, ambos disputam o tempo e os cliques das pessoas conectadas do mundo.

O Facebook, sendo apenas uma rede social, conseguiu organizar a experiência social dos usuários, algo que o Google com seus vários produtos nunca conseguiu fazer com sucesso - o Wave e o Buzz não exemplos perfeitos disso.

David Kirkpatrick, autor do livroO Efeito Facebook, diz que o Facebook vem, há tempos, trazendo a internet cada vez mais para dentro de si e criando meios que incentivam as pessoas a compartilharem o que estão lendo.

As funções sociais já provaram seu poder de alastrar um link pelo boca a boca online - é mais provável que um link seja clicado e reenviado se ele for indicado por algum conhecido.

Com isso, um usuário que clica no botão "Curtir" do Facebook e lança um conteúdo para dentro da rede social pode passar a ser mais valioso - para os anunciantes e mensuradores de audiência - do que quem faz buscas e clica nos resultados do Google. E isso pode pesar no bolso das duas empresas quando o modelo de negócio delas se baseia em grande parte em anúncios direcionados.

O Google já percebeu isso e investiu pesado nas áreas que devem ser as grandes concentradoras de usuários e capital no futuro: jogos sociais, plataforma social para o desenvolvimento de aplicativos e compras coletivas são bons exemplos.

Eric Schmidt, seu CEO, já afirmou que o Google quer diversificar sua atuação e crê que a receita gerada por publicidade associada a buscas em celulares irá exceder a feita em PCs.

Daí o foco na plataforma Android.

Renê Fraga, fundador do blog Google Discovery, que cobre as notícias sobre a empresa desde 2006, diz que o Google tem um problema histórico de criar produtos e se perder entre eles.

O próprio Schmidt admitiu isso em 2007. Fraga diz que essa tendência parece ter voltado- houve o anúncio da Google TV e a promessa muitas vezes adiada do lançamento do Chrome OS, sistema operacional da companhia.
Mas, para o blogueiro, esse é modelo de trabalho do Google: comprar empresas que estão no topo das tendências e apostar nelas. – Às vezes tornam startups [empresas jovens] em grandes sucessos, como foi o caso do YouTube. Mas, muitas vezes, deixam passar ideias promissoras, como foi com o Foursquare.

Perguntas que não se calam... Da briga Facebook versus Google: o Google vai lançar uma rede social para competir com o Facebook? A outra grande especulação - se o Facebook iria lançar um telefone para concorrer com Androids e iPhones - já foi respondida pelo próprio Zuckerberg: não.

Segundo ele, o Facebook quer apenas criar uma camada social para os aplicativos. A resposta do Google segue no mesmo caminho. Fraga diz que a empresa não quer e nem deve tentar competir diretamente com o Facebook.

O que falta para o Google, que já possui muitos serviços consolidados e integrados, é uma plataforma onde tudo isso seja registrado e fique organizado.

– O Facebook ainda tem uma busca de conteúdo precária e não possui a gama de produtos do Google.

Ainda há áreas em que ele pode cobrir a defasagem existente e se estruturar.
Nick O'Neill, criador do site All Facebook, vai além e, alegando não poder citar as suas fontes, diz saber que o Google não vai lançar uma rede social.
– Eles estão trabalhando em um camada social que ajuda no gerenciamento da experiência social.
Não se chama Google Me e não quer substituir o Facebook, mas complementar a experiência que ele dá ao usuário.
Knça com a Microsoft, e o Google vai ajudar a definir a web da próxima década".



r7.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário