sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Facebook deve triplicar receita em publicidade móvel em 2013


Projeção feita pela consultoria eMarketer aponta que o Facebook deve triplicar sua receita com publicidade móvel em 2013 nos Estados Unidos. A previsão é de que a rede social termine o ano com 14,9% do mercado de propaganda via celular ou tablet, contra 5,35% em 2012.

O Google, no entanto, ainda lidera o mercado de publicidade móvel. O buscador concentrará mais da metade dos anúncios (52%) e arrecadará cerca de US$ 38 bilhões no ano.

A previsão otimista se deve ao último trimestre do Facebook. A receita com publicidade móvel foi responsável por 41% do total da receita de publicidade do site, alcançando a marca de US$ 656 milhões - alta de 11% se comparado ao último trimestre.

O bom desempenho do trimestre fez as ações da companhia subirem. Na última sexta-feira, (23), o valor da ação fechou em cerca de US$ 40 e agora está próxima de bater os US$ 45, o máximo que o Facebook já viu.

Com isso, a companhia conseguiu reverter um quadro de especulação negativa e voltou a ser avaliado em mais de US$ 100 bilhões, conforme mostram dados da FactSet. O resulta-do é mais uma confirmação de que os investidores apostam na eficiência da rede social para gerar bons resultados na área publicitária no futuro e também relaciona-se aos resultados do último trimestre com publicidade móvel.

Os US$ 100 bilhões foram conquistados no mês que antecedeu a entrada do Facebook na bolsa, em maio de 2012. Ao levantar US$ 16 bilhões com oferta pública inicial de ações, a companhia passou os US$ 104 bilhões, mas caiu rapidamente nos meses seguintes, chegando a ficar abaixo de US$ 50 bilhões por causa da desconfiança dos investidores.

Segundo a Bloomberg, as ações do Facebook cresceram 55% neste ano em comparação ao ganho de 16% no índice Standard & Poor’s 500.

Ao ultrapassar essa barreira, o Facebook não apenas demonstra seu poder de recuperação, mas também ingressa num seleto grupo de empresas de tecnologia com tal valorização. Fazem parte desta lista a Amazon, avaliada em US$ 132 bilhões; Intel, com valor de mercado de US$ 112 bilhões; e as gigantes Apple (US$ 450 bilhões) e Google (US$ 290 bi-lhões).

Política de remuneração

Alguns dos fundos de investimento de Mark Zuckerberg entregaram uma dura mensagem sobre a política de remuneração dos líderes do Facebook. A Fidelity Investments estava entre aqueles que votaram contra o pagamento dos líderes da empresa em uma consulta no encontro anual em junho, primeiro desde a abertura de capital.

Outros fundos votaram contra o pagamento, incluindo a Legg Mason Capital Management Value Trust e a Franklin Resources' Franklin Growth Fund.

A objeção dos fundos não foi explicitada, mas uma razão pode ser as regalias. Zuckerberg recebeu US$ 1,99 milhão m 2012, muito menos que outros executivos, como a diretora Sheryl Sandberg, que recebeu US$ 26,2 milhões. No entanto a ISS, consultor influente de investidores institucionais, recomendou votos contra a compensação. A entidade questionou práticas como prêmios em ação e as despesas de US$ 1,2 milhão de Zuckerberg com vôos particulares.

Gestores de fundos podem continuar fãs da empresa de mídia social como investimento, mas os votos destes fundos geralmente são controlados por departamentos separados que baseiam seus votos em uma análise fria. “São apenas negócios”, disse Edward Hauder, consultor senior da Exequity LLP, especializada em remuneração. O Facebook não quis comentar o assunto.

monitormercantil.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário